quarta-feira, 31 de dezembro de 2008

FELIZ 2009, Habitantes de toda a TERRA

Terra há só uma, a nossa, e só continuará nossa se o Homem quiser

A todos habitantes desta Terra Una.
Não importa o reino de vida a que pertença
Ou o ecossistema em que se aninhou.
Sois filhos de um grande equilíbrio precário
Cujo Homem, senhor inconsciente e demente,
Foi impertinente agente perturbador.
Continuai vivendo felizes e impávidos
A próxima translação desta vossa Casa,
Comendo e abusando do fruto proibido
Que sustenta a preservação ambiental.
Então o Planeta vos dirá, qual novo Adão,
Que deste Éden perdestes a oportunidade
E dele não mais fareis parte.
Mas Gaia novamente vencerá,
Outro Génesis escreverá,
E como uma nova Eva fecunda,
Nutrirá gerações futuras de seres.
Hoje imundos... nojentos...
Dignos de vencer o presente...
E o pós-Humanidade.


Feliz 2009, em Paz com os Homens e em equilíbrio com Gaia, no último ano do triénio do Ano Internacional do Planeta Terra

segunda-feira, 29 de dezembro de 2008

CONCERTO DA PAZ

Tendo em conta o pedido de divulgação, que me foi efectuado pelo Pelouro da Cultura da Câmara Municipal da Horta, apresento seguidamente o programa musical para o primeiro dia de 2009, desejando que os residentes no Faial aproveitem esta oportunidade.

(foto e texto abaixo fornecidos pela CMH)

Dia 1 de Janeiro de 2009

Igreja S. Francisco: 14h30

Grandioso Concerto pela Paz

ORQUESTRA SKOMOROKHI de São Petersburgo

Organização: Câmara Municipal da Horta.

Apoio: Santa Casa da Misericórdia, Junta de Freguesia de Castelo Branco, OMA.

A ORQUESTRA SKOMOROKHI de São Petersburgo foi fundada em 1969 pelo Maestro Victor Akulovich. Os instrumentos que compõem a orquestra, são entre outros, as balalaicas, domras, baião, flauta, oboé e instrumentos de percussão. O reportório inclui trechos de música erudita, música popular russa de autores consagrados e trechos originais compostos exclusivamentepara a orquestra.

Prestigiada na Rússia, a Skomorokhi realizou concertos em mais de 20 países, entre eles, Espanha, França, Grécia, Inglaterra, Alemanha, Eslovénia, Finlândia, Dinamarca, Japão, Coreia do Sul e Argélia. Em 1995 e 1996 conquistou os grandes prémios dos Festivais Europeus de Música que se realizaram na Bélgica e na Dinamarca.

A Orquestra Skomorokhi tem vários CD’s editados e tem participado em emissões de rádio e televisão de diferentes países. Em Portugal esteve nos Concertos de Ano Novo de 2008 em Santarém, Elvas e Barreiro.

sexta-feira, 26 de dezembro de 2008

RIBEIRINHA - Natal 2008

As iluminações do exterior das casas não eram tradição, vieram com o regresso de alguns emigrantes, com a chegada da electricidade ao meio rural, as imagens da televisão e com um maior desafogo económico das últimas décadas...
As decorações do exterior alegram as noites longas do início do Inverno, recordam o Natal e não destruíram nenhuma tradição anterior, tornaram-se apenas em mais um hábito que a continuar entrará no rol das tradições.
Hoje, quando com chuva e alguns relâmpagos, observei as várias iluminações exteriores de natal na Ribeirinha e nos Espalhafatos, lembrei-me que há dez anos atrás nem uma só das casas visitadas existia, apenas ruínas fantasmagóricas do sismo de 9 de Julho de 1998, estas decorações eram prova que vida aqui renasceu e isso é Natal.
Não importa que sejam decorações simples e adequadas aos bolsos de quem trabalha, são indicadores do regresso à vida normal desta freguesia e porque os emigrantes lá longe sonham sempre com uma foto do que por cá se passa... vários já me disseram que este blog era uma janela para a sua terra.
Porque é Natal e na família ribeirinhense ou faialense muitos vivem longe... fica aqui esta amostra de algumas decorações que resistiam à chuva e aqueciam este vento gelado que hoje passava pela Ribeirinha e pelos Espalhafatos, as duas localidades desta freguesia que me acolheu desde criança.

terça-feira, 23 de dezembro de 2008

A MORTE DO MENINO JESUS

As celebrações ao invencível deus Sol do império romano foram transformadas pelos cristãos romanos nas festividades do nascimento do Menino Jesus, pois Este era para eles o verdadeiro Deus e Luz da vida...  
Pagão ou cristão, o solstício de inverno sempre esteve associado ao nascimento ou à fonte da vida, até que nos tempos modernos passou a ter para muitos um pai idoso, de infância desconhecida e residente num dos locais mais inóspidos à vida...

Porque gosto da vida e de viver e detesto ser desenraizado das tradições do meu povo, persisto no luso Natal do Menino Jesus. Uma criança é sempre um início de vida, independentemente de qualquer crença, por isso resisto a qualquer sucedâneo oco, mesmo que popular, e não me habituo a um Natal sem o Menino Jesus.

A tolerância sempre me guiou, logo a todos eu respeito. Assim, quer optem pelo Menino Jesus da tradição lusitana ou pelo velhote, no ocaso da vida, Pai Natal (Papá Noël no Brasil), criado pelo  marketing do capitalismo, a todos um Feliz Natal.

sábado, 20 de dezembro de 2008

OUTONO - O Fim-de-estação

Hoje é o último dia completo do Outono, amanhã chega o Inverno.
O solstício ocorre às 11h04 dos Açores, dá-se então a mudança de estação.
Ao contrário da maioria dos países da Europa e da América do Norte, a paisagem açoriana é sempre cheia de verde...
Tanto a floresta natural destas ilhas - conhecida por Laurissilva - como a principais árvores trazidas pelo homem e invasoras do nosso meio natural - o incenso, o araçaleiro, etc. -  são de folha perene, por isso, o verde é também dominante no Inverno.
Paralelamente, os dias de temperaturas amenas, sem chuva e, por vezes, de sol radioso ocorrem também no Inverno, enquanto o Pico continua a nos vigiar lá do alto e as aves a encherem a natureza de canções...
As praias talvez estejam menos convidativas, contudo os trilhos e os caminhos agrícolas persistem em convidar toda a gente para uma caminhada, onde a natureza intacta praticamente já não existe, mas pelo menos o ar puro, a calma, a beleza paisagística e o chilrear das aves são abundantes.
São assim as ilhas do Triângulo (Faial, Pico e São Jorge), são assim os Açores, sempre belos em qualquer estação do ano.
Adeus Outono e espero que o próximo Inverno não nos desiluda!

quarta-feira, 17 de dezembro de 2008

CHÃO QUE DEU UVAS

Tempos houve, não muito distantes, que no meio rural do Faial não havia dinheiro disponível. Apenas abundava o milho, o trigo, a batata doce ou da terra, a laranja, a maçã, o pêssego, o figo, a ameixa, a nêspera e a uva, o peixe acabado de pescar, a carne de vaca ou de porco (tanto fresca, como salgada), as couves para acompanhar ou a cebola, o alho e a salsa para aromatizar e ainda o vinho feito por um conhecido da Praia do Norte, do Capelo ou, sobretudo, do Pico e... vi eu bem, muito alegria no trabalho.
Hoje, o dinheiro circula no campo e os bancos cobram as dívidas da casa, do carro, da adega ou da mobília nova e dos electrodomésticos, mas o chão que deu uvas cobre-se de ipomoeas de flores roxas que se alastram pelos quintais e desfeiam as zonas balneares...

Antigamente o chão de pedras - chamados mistérios ou biscoitos - dava uvas e figos que se transformavam em vinho e aguardente. Agora... jaz abandonado, estéril, triste com saudades dos campos alegres sem crise...

segunda-feira, 15 de dezembro de 2008

POETAS E POEMAS ESCOLHIDOS IV - Natália Correia


Logótipo com os países integrantes da CPLP, retirado daqui - lusofonia

LÍNGUA MATER DOLOROSA

Tu que foste do Lácio a flor do pinho
dos trovadores a leda a bem-talhada
de oito séculos a cal o pão e o vinho
de Luiz Vaz a chama joalhada

tu o casulo o vaso o ventre o ninho
e que sôbolos rios pendurada
foste a harpa lunar do peregrino
tu que depois de ti não há mais nada,

eis-te bobo da corja coribântica:
a canalha apedreja-te a semântica
e os teus verbos feridos vão de maca.

Já na glote és cascalho és malho és míngua,
de brisa barco e bronze foste a língua;
língua serás ainda... mas de vaca.


Publicado no Jornal Novo, Dezembro de 1976, extraído de "Poesia Completa" de Natália Correia, Publicações Dom Quixote, 1999 (634 p.)
Livro disponível e à venda nas Bibliotecas Públicas da DRaC nos Açores.

sábado, 13 de dezembro de 2008

RECORDAÇÕES DE PRAGA

Tinha prometido a apresentação de algumas imagens da minha viagem a Praga, pelo que aqui ficam algumas das muitas fotos então tiradas, assim como explicações e reflexões sobre esta cidade.
Em primeiro lugar importa deixar bem claro que o centro da Praga é de uma monumentalidade e beleza estonteante que impressiona qualquer pessoa que chegue pela primeira vez à cidade, sem dúvida uma das capitais mais belas que conheço. 
Entrada na Praça da cidade velha, com a sua câmara municipal à esquerda e igreja de Nª. Sª. de Tyn em frente.

Contudo, defeito meu ou virtude, não consigo visitar uma terra, deslumbrar-me e ir embora sem estudar a sua alma, o que faço, por norma, através da exploração de espaços menos turísticos, análise dos vários tipos de lojas de comércio tradicional e pela observação daquelas pessoas que me parecem ser os residentes da cidade. É um método incompleto, mas rico de informação sobre o local e tive tempo suficiente em Praga para estas intromissões nesta urbe.
O castelo com o palácio real e catedral de S Vito no alto, igreja de S. Nicolau do Bairro Pequeno à esquerda e ponte Carlos sobre o rio Moldava à direita.

Não haja dúvida que a população de Praga valoriza a cultura. O número de livrarias; alfarrabistas; lojas de venda de cd/dvd; casas de teatro de vários tipos, activas e em checo; óperas e salas de concerto; bem como a qualidade dos grupos musicais de rua, das companhis de ópera e da sua orquestra filarmónica; a diversidade de oferta musical e a quantidade de escritores, pintores e escultores de grande valor na história da arte europeia, demonstram isso. Mas o centro histórico desta cidade é hoje, sobretudo, um belo museu preservado e destinado ao turismo.

Ponte Carlos à entrada do Bairro Pequeno, com as suas imagens e torre e porta.

À excepção da venda de livros e discos, praticamente todo o comércio desta zona está virado para o turismo e com preços na generalidade superiores em 100% à cintura envolvente menos turística, o movimento de rua é praticamente ocupado por estrangeiros e nacionais de apoio a estes. Quase não se vêem pessoas com comportamentos de quem está a desenvolver actividades quotidianas e o grau de recuperação das moradia é de tal forma intenso e homogeniamente barroco que parece descartar qualquer veleidade individual, bem como ser excessivo para bolsos da classe média e baixa.
Rua da Ponte Carlos, com a igreja de São Nicolau do Bairro Pequeno em frente.

Assim, ficou-me a dúvida, até que ponto será agradável viver neste centro histórico e qual a densidade, intensidade e qualidade de vida dos seus prováveis residentes... quais as casas das classes menos abastadas dentro deste núcleo e deu-me então uma grande saudade dos bairros típicos cheios de vida da minha Lisboa onde vivi...
Catedral de São Vito no interior do Castelo e do Palácio Real.

Num dos dias aventurei-me a uma excursão, planeada à última hora, a uma pequena cidade de província, a quase três horas de viagem e situada no extremo sul da Boémia: Ceska Krumlova, cujo seu núcleo foi recentemente elevado a património mundial, tal como no passado aconteceu com o centro histórico e turístico de Praga, ficam aqui duas imagens como aperitivo desta pérola que temo, brevemente será votado a um destino semelhante ao do centro da capital do pais.
O Castelo de Ceska Krumlova

O centro da cidade visto da torre do castelo e também banhado pelo rio Moldava.

quinta-feira, 11 de dezembro de 2008

A MINHA LISBOA...

Existem cidades monumentais que se parecem copiar na arquitectura, nas fachadas e na demonstração de riqueza, mas a minha Lisboa é uma cidade castiça, única e bela.
Na minha Lisboa os monumentos não se atropelam, nem concorrem em magnificência ou opulência, os seu imóveis são simples, milenares ou centenares...

Na minha Lisboa os imóveis sabem mostrar a beleza da simplicidade e a harmonia do conjunto...

Despudoradamente expõem a vida das suas humildes gentes e invadem as ruas com cheiros a comida, conversas de interior ou de vizinhas e músicas diversas incluindo o fado...

Na minha Lisboa abundam os miradouros que mostram a cidade a banhar-se no Tejo, onde a sua gente ainda convive, joga, conversa, contacta com a música popular e namorisca de uma forma descontraída e humana.

A minha Lisboa é um museu vivo, com gente cheia de vida e a residir no seu interior que ainda se conhece, que dá bom dia, onde existem, largos com paróquias de aldeia, mercearias e cafés de bairro, nas suas ruas continuo a ver crianças e adolescentes a brincarem descontraidamente, a ouvir os jovems a atirarem piropos às moças que passam e as risadas acompanhadas de respostas desajeitadas de quem disfarça o acolhimento do elogio... é esta a minha Lisboa, é esta a minha rua de estudante... é esta a cidade que gostaria que se mantivesse viva como ainda consegue ser.

PARABÉNS MANUEL OLIVEIRA

Manoel de Oliveira, o cineasta mais idoso do mundo e ainda em actividade, faz hoje 100 anos... PARABÉNS!
Imagem retirada e nas condições descritas aqui
Não vi muitos filmes de Manoel de Oliveira, apesar do grande número de obras por ele realizadas, mais porque não tive acesso a eles do que por não os querer ver, as poucas vezes que assisti ao seu trabalho foi, sobretudo, em cinemas de Lisboa, quando estudante (por norma não programo a visualização de filmes no pequeno ecrã da TV). Confesso que não desgostei das suas obras: calmas e onde o argumento e a imagem eram tratados como verdadeiras obras de arte.

Manoel de Oliveira é sobretudo um resistente: resiste em viver, em trabalhar e em não se deixar ir por modas e imposições de estilos comerciais ou de outras escolas da sétima arte... no futuro, provavelmente, terá o seu nome inscrito nos grandes nomes da história do cinema e será reconhecido dentro do seu país, hoje... é apenas um Grande Realizador para quem vê no cinema uma forma de expressão artística. PARABÉNS!

terça-feira, 9 de dezembro de 2008

Adeus Praga

Bem como tudo o que é bom tem um fim, as férias aqui estao no seu termo... quando viajo nao me limito a ver a oferta turistica, exploro corredores mais obscuros para descobrir a alma da terra, assim, sobre Praga algumas impressoes:
- Cidade com um centro historico monumental, muito bem preservado, com grande beleza arquitectonica e paisagistica, muito dinamizada em torno do turismo pelo que os precos sao muito mais elevados aqui que nas ruas menos visitáveis, nestas chegam a ser mesmo muito baratos.
- Culturalmente é um cidade rica ao nível das várias artes eruditas, como a musica e literatura.
- Rica onde Lisboa é pobre e pobre onde Lisboa é rica, complementam-se, mas nenhuma das cidades é completa em si e ambas encerram traumas que deveriam solucionar.

Pela sua beleza e cultura recomendo-a vivamente, valeu a pena descobrir esta cidade... agora Adeus Praga... Olá Lisboa continuo a gostar muito de ti.

segunda-feira, 8 de dezembro de 2008

DON GIOVANNI, na primeira casa

Nesta epopeia operática mais uma vez insisti em Mozart, uma obra divertida, contrariamente à ideia de muitas pessoas do que são as óperas, contudo moralista.
Embora Mozart tenha sido um artista reconhecido em vida, as suas obras nem sempre tiveram a aceitação institucional e da crítica, situação que conduziu a que a estreia de Don Giovanni (ou Don Juan como se tenderia a dizer em Portugal) ocorresse em Praga no Teatro dos Estados, onde a obra, perante um público conhecedor de música, foi um sucesso e motivo porque dois séculos depois eu optei por visitar esta cidade e ver pela primeira vez ao vivo o Don Giovanni, precisamente na sala onde foi estreado mundialmente.

Teatro dos Estados, local da primeira estreia de Don Giovanni pelo próprio Mozart, foto daqui

O vídeo mostra Don Juan, legendado na compreensível língua de Cervantes, a seduzir uma noiva, precisamente no dia do seu casamento, por um cantor que associo sobretudo a papeis de Mozart, dueto que mostra a capacidade do compositor, com bom gosto, conciliar a beleza, a ironia e o humor, de uma forma acessível a todos os públicos 

sexta-feira, 5 de dezembro de 2008

FLAUTA MÁGICA

Se ontem optei por uma obra grandiosa, que normalmente apela a grandes cenários e de estilo italiano, hoje escolhi uma ópera alemã, na Ópera do Estado em Praga. Uma obra onde os ensinamentos dos valores da vida e o virtuosismo da voz são elementos importantes.



O Mozart que me fascina é aquele onde a voz entra,  por isso as óperas deste compositor têm em mim um lugar muito especial. Seleccionei um excerto com a ária mais conhecida da Flauta Mágica e optei pela versão que tenho na minha colecção de dvd, onde a força da música, da representação teatral e da interpretação vocal evidenciam os aspectos porque considero a ópera uma forma de arte completa...

quinta-feira, 4 de dezembro de 2008

AIDA de verdi

AIDA de Verdi é o pontapé-de-saída, desta série de óperas que decidi assistir, neste caso no Teatro Nacional de Praga.
Provavelmente não assistirei a uma coreografia com os efeitos especiais ao nível do vídeo abaixo, aliás vou sobretudo pela música, mas a ópera, como espectáculo completo: música/canto, representação, encenação, coreografia e literatura; presta-se a que uma mesma obra possa ter as mais variadas formas de apresentação, daí um dos seus aliciantes e a capacidade de poder sempre surpreender.



No elenco também não constam nomes sonantes, mas numa cidade entre Berlim e Viena, onde a dinâmica musical é uma das atracções para estes vizinhos, suspeito que o brilho da qualidade, o que me interessa, ultrapasse o de vedetismo...

segunda-feira, 1 de dezembro de 2008

PRAGA, pelo dinamismo cultural

Fui atraído pelo dinamismo cultural de Praga, as suas óperas, a sua arquitectura, o seu aspecto medieval... e é para aqui que vim à descoberta.

PRAGA e o rio Moldava (Vlatva em checo), imagem daqui

Não me pronuncio ainda sobre esta cidade que desconheço completamente e que há poucos anos me era estranha... apenas a relacionava com Milan Kundera, Kafka, alguns compositores e a uma primavera passada, fica apenas a menção ao motivo da escolha.
Espero em breve comunicar as minhas impressões e depois do fascínio da descoberta há poucos anos do império cultural que é Berlim as comparações serão inevitáveis...