quinta-feira, 29 de maio de 2014

"Nação Crioula" de José Eduardo Agualusa


Escrito em estilo epistolar, o romance baseia-se em alguns factos reais, como o navio negreiro Nação Crioula, intercalados com acontecimentos de ficção.
A obra está estruturada como um conjunto de cartas de Fradique Mendes (personagem fictícia mantida por vários escritores do século XIX em artigos de jornais na sua época em Lisboa) entregues a Eça de Queirós e nas quais se relata a paixão do protagonista por Ana Olímpia (destinatária de várias missivas) e sua vida social em Luanda, se descreve o tipo de relações comerciais entre esta colónia e o Pernambuco no Brasil, bem como as contendas entre escravocratas, abolicionistas, negreiros e tensões para o fim desta exploração de mão de obra por parte de várias nações europeias.
José Eduardo Agualusa aproveita assim para expor numa escrita muito linear e epistolar os dilemas do fim da escravatura, vários preconceitos e desumanidades que modelavam a vivência de Luanda, Brasil, Portugal e perspetivas filosóficas, religiosas e políticas em confronto no império português com as visões e ideias vindas do norte da Europa, bem como alguns aspetos do comportamento dos africanos. O livro lê-se muito bem, gostei muito, tem uma escrita acessível e recomendo a qualquer  tipo de leitor.

segunda-feira, 26 de maio de 2014

"Claraboia" de José Saramago

Editorial Caminho

"Claraboia", o segundo romance escrito por José Saramago no início da década de 1950 sob o pseudónimo de Honorato e cuja editora em 1953 nem se dignou a responder nem a publicar, é o único livro do género saído postumamente por opção do autor face à desfeita de só ter sido contactado para a sua publicação quando começou a ter nome na década de 1980, deixou tal a decisão aos seus herdeiros para após a sua morte.
Neste livro a escrita característica de Saramago ainda não nascera: todos os sinais de pontuação estão presentes, não há parágrafos longos e o encadeado de diálogos tem a devida separação. O livro espreita, como por um claraboia para relatar a vivência de seis famílias residentes no mesmo prédio e não sai deste edifício.
Quem leu a obra madura do escritor reconhece na trama as preocupações frequentes do autor, mas sendo uma obra do período da ditadura certas insinuações surgem disfarçadas. Estão já presentes várias das temáticas a serem desenvolvidas mais tarde: a luta de classes aqui disfarçada de assédios amorosos, questões filosóficas a partir do saber da experiência da vida e pelo confronto causa monárquica versus republicana, bem como a questão da identidade e objetivo de vida. No estilo, Saramago já se recorre à ironia introspetiva para denúncia e fazer análise psicossocial muito presente nas suas obras principais.
Não sendo uma obra com a maturidade como outras posteriores, é um romance simples, linear e interessante que se lê bem que já aponta para o Saramago do período Nobel. Gostei.

quinta-feira, 22 de maio de 2014

"O Dia dos prodígios" de Lídia Jorge


"O Dia dos Prodígios" é o primeiro romance da grande série de obras escritas por Lídia Jorge, uma das autoras contemporâneas nacionais que maior número e diversidade de prémios literários de Portugal e do estrangeiro tem recebido.
Um romance publicado em 1980 que deve ter sido então uma pedrada no charco pela forma de escrita. A narrativa é constituída sobretudo pelo encadear de frases orais, por vezes articuladas, outras como que interrompidas por uma pontuação livre ou ainda com intercalação de afirmações, quase tudo brotando dos diálogos das personagens que convivem numa pequena aldeia isolada do interior do Algarve e onde se descreve, fala e se relata não só factos maravilhosos que ocorrem na terra que parecem pressagiar um grande evento, bem como se comenta a vida alheia. Por vezes a autora divide o texto em colunas, uma menor destinada a comentários e a outra à continuação do texto. Assim, aos poucos e de uma forma nem sempre linear, vai-se montando ao ritmo da pasmaceira do dia a dia o viver de uma pequena comunidade rural vítima da emigração e do esquecimento no final do Estado Novo... até que mais tarde se dá a Revolução do 25 de Abril e o nascer da esperança.
Para muitos o livro retrata de uma forma alegre e livre a mentalidade, os hábitos e os defeitos que caracterizavam o cidadão rural médio de então, o que nem sempre é abonatório: álcool, violência gratuita sobre animais e doméstica e alguma grosseria cruzam-se na montagem de um texto irónico e divertido que já foi adaptado ao teatro, mas é evidente que pertence a um período onde a ameaça da desilusão com libertação alcançada com Abril ainda não ensombrava a sociedade.
Lídia Jorge talvez seja das escritoras mais versáteis na escrita e este livro é bem diferente no estilo de outras obras posteriores de que gostei mais, embora talvez menos originais que é a grande marca desta obra aberta positivamente para o futuro.

segunda-feira, 19 de maio de 2014

"O Castelo" de Franz Kafka

Edições Livros do Brasil

É mais fácil ler o romance "O Castelo" de Franz Kafka  do que dissertar sobre ele. A trama está cheia de contrassensos absurdos como num sonho e as peças não se encaixam, nem seguem a ordem natural das coisas. Contudo cada momento é justificado profundamente na discussão das personagens com K, recorrendo a uma engenhosa e extensa argumentação plena de subtileza que desmonta as ideias contrárias em confronto sem dela brotar uma lógica consistente.
Um agrimensor estrangeiro vai ao encontro de uma vaga aberta no condado do castelo, chega à terra e sente uma desconfiança de toda a população e dos funcionários para com ele. É admitido, mas o lugar não abriu por necessidade, só que no sistema burocrático não mais é viável aquele ser cancelado, pois o seu funcionamento bloqueia a correção até por que a sua perfeição inexplicável é um facto e aceite por todos e a lógica dos decisores vem de entidades inacessíveis.
Para quem já leu "O Processo de Kafka verifica que os dois romances seguem rumos opostos para o personagem K. No Castelo este vai ao encontro do poder que não precisa dele mas aceita-o, para logo a seguir se lhe tornar inacessível, K pretende alcançar a remissão dos seus erros de que não foi acusado. Em "O Processo" é a máquina da justiça que vai ao encontro de K, este não sabe que mal cometeu, tenta e não consegue libertar-se da culpa de que o sistema o acusa. As duas obras completam-se na perfeição.
O livro da foto tem um posfácio de Max Brod, amigo de Kafka, a apreciar obra e expondo textos rasurados e não publicados nas versão inicial e póstuma deste romance. A sua apreciação sobre os 2 romances mencionados não se limita a uma visão terrena do conteúdo e crítica política, estende-se a uma perceção teológica e filosófica, análises que enriquecem em muito a interpretação, embora eu não consiga libertar-se da ideia mais terrena daquele absurdo Governo, até que alguns destes são mesmo  pecados da administração pública. Um excelente livro, que pode não ser acessível a todos, mas que serve como denúncia e reflexão ao sistema político em que vivemos.

domingo, 11 de maio de 2014

"Falconer" de John Cheever

Sextante Editora

Acabei de ler "Falconer" de John Cheever. O título corresponde ao nome da prisão aonde Farragut: toxicodependente desde a sua missão militar, pai, marido e professor; vai cumprir pena por fratricídio. A descrição do dia-a-dia no estabelecimento servirá ao protagonista para refletir na sua viva, angústias, família, infância, sexualidade e desenvolver o contacto social e também íntimo com os restantes reclusos bem como conhecer a traição e compreender como é o funcionamento subjacente ao sistema prisional.
Escrito numa linguagem realista e pouco vestida de artificialismos estilísticos, típica da literatura norte-americana, o livro não faz grandes juízos de valor, mas pela exposição expõe e aborda as causas das angústias, os receios do passado complementado com o desejo de liberdade e de remissão do cidadão norte-americano (um número, uma pessoa e uma consciência) na sociedade. Uma obra característica dos anos 1970, a geração onde a droga e o esforço da compreensão do eu numa sociedade em mudança do conservadorismo social para uma liberdade individual foi marcante.
Gostei, apesar do ambiente prisional não é deprimente, embora a vontade de remissão não seja um caminho alegre, contudo não tem a força de outros retratos dos Estados Unidos feitos mais recentemente como Submundo de Dom deLillo e de Liberdade de Franzen já aqui falados, até pela pequena dimensão deste romance não permite maiores aprofundamentos dos temas abordados.

quinta-feira, 8 de maio de 2014

"Afirma Pereira" de António Tabucchi

Editora Leya

"Afirma Pereira" de António Tabucchi é um romance escrito sob a forma de um depoimento das declarações do jornalista lisboeta Pereira, no momento responsável pela página cultural da publicação para onde trabalha, que relatam a sucessão dos vários acontecimentos que antecederam o despertar da sua consciência, o levaram a sair do seu comodismo cobarde e a tomar uma ação de denúncia numa ditadura em Portugal dominada pela censura e a polícia política, isto num verão contemporâneo da guerra civil de Espanha e num Estado seguidor dos "bons costumes" da religião e subserviente  aos regimes então instalados na Alemanha e na Itália.
Numa linguagem linear, fácil de seguir e com capítulos curtos que descrevem as rotinas do dia-a-dia ou os eventos extraordinários ocorridos, bem como os diálogos e as ações que com Pereira interagiu nesse verão que estiveram na base da transformação da sua personalidade acomodada a um "eu hegemónico" para uma nova consciência ou alma que vai evidenciando o papel da literatura na formação da pessoa humana e no moldar da sociedade.
Uma pequena grande obra muito agradável de se ler que harmoniza o papel da ficção radicada na história com a capacidade da literatura despertar para a reflexão sobre a sociedade e questões de consciência sem se amarrar a campos ideológicos ou prejudicar o prazer associado ao lazer.

quarta-feira, 7 de maio de 2014

Nella Maissa - Parabéns pelos 100 anos de vida, das mulheres que mais deu pela música em Portugal


Nella Maissa, pianista, completa hoje 100 anos de vida. Ainda hoje a ouvi com uma lucidez incrível a falar de música e de músicos na rádio, sefardita, nascida em Turim, casa em Portugal para onde veio residir EM 1939 e desde então nunca abandonou o seu trabalho de divulgar os compositores portugueses e de os interpretar, algo que talvez ninguém nascido em terras lusitanas o tenham feito mais intensamente do que ela, vencedora de vários prémios musicais foi agraciada com a medalha de mérito cultural por todo o seu trabalho.

Pelos 100 Anos de Vida e o seu trabalho em prol da música: 
Parabéns Nella Maissa


domingo, 4 de maio de 2014

"A Quinta Essência" de Agustina Bessa-Luís


Terminei a leitura de "A quinta essência", de Agustina Bessa-Luís relativa "a uma forma de criação do nada coisa efémeras que nunca acabam"... "a região do fogo e do amor" e o livro faz isso.
É uma escrita onde não há é espaço de tempo para tanta ideia, informação e pormenor do que Agustina quer introduzir na construção frásica. Cada parágrafo é como um painel de talha dourada de um altar barroco, onde facilmente nos podemos perder tal é a densidade de elementos é um pórtico de Gaudi e dificilmente se apreende tudo à primeira.
O mundo a partir dos olhos de José Carlos, vindo de uma família pretensamente burguesa da região do Porto, uma classe que se habituou às regalias que de repente se torna alvo dos ódios no 25 de Abril, que desestabilizam o status quo e onde cada um encontra artifícios para se adaptar.
Nasce assim um projeto de vingança do protagonista que o leva até Macau... dá-se então a fascinação do que foi a história e o choque do encontro de duas civilizações e duas formas de pensar. Uma pretensa cultura superior vê-se perante outra requintada, profunda, já milenar e avançada e dificilmente compreensível para uns ocidentais com mera vocação comercial e evangelizadora que se instalam na península de Ama Cao. Descobre-se então como uma China que na sua suprema inteligência deixa o território tornar-se num cadinho de trocas de todo os género e mentalidades que salvaguardou uma coexistência e criou teia de relações únicas entre dois mundos.
O livro é uma joia (as pérolas são muito comuns no sul da Ásia e logo desvalorizadas pelas elites orientais) onde se mergulha e se percebe o que foram estes quinhentos anos de Portugueses/Jesuítas por terras do império do meio e os jogos dos chineses, as sujas filosofias, mas onde há o risco de nos perdermos em tal densidade que faz numa obra do tamanho de um volume de "Em busca do tempo perdido", um retrato social e histórico bem maior. Gostei muito, mas o livro nem sempre é fácil.