quarta-feira, 1 de julho de 2015

"Arquipélago" de Joel Neto


"Arquipélago" de Joel Neto despertou-me a curiosidade por ser uma obra recente, escrita por um Açoriano, tratar-se de um romance ambientado a esta região insular que habito e por acompanhar parte da atividade cronística e interventiva do seu autor.
Considero este romance uma obra diferente do habitual que se publica não apenas nestas ilhas, como inclusive ao nível nacional, foge ao estilo preponderante do que vai saindo no panorama literário de Portugal. Gosto de originalidade em detrimento da onda avassaladora que se submete às tendências de uma época e tende a homogeneizar tudo o que entretanto vai saindo num dado período e neste aspeto "Arquipélago" é de facto diferente e segue um estilo próprio.
"Arquipélago" é um romance que em simultâneo conjuga divulgação da cultura e beleza Açoriana, a história e os mitos que pululam por estas ilhas (com destaque na Terceira), o amor, a magia, o crime, a investigação, a denúncia de problemas sociais e inclusive inclui casos e situações reais bem como especulações recentes propagadas na comunicação social insular sobre determinados vestígios patrimoniais existentes nos Açores. Levantando questões que provável e intencionalmente nem sempre são respondidas no livro.
Penso que Joel Neto poderia ter caracterizado melhor o falar terceirense, mesmo assim, o estilo de vida desta ilha está magnificamente caracterizado. A obra tem um desenrolar cronológico algo incomum, começa num momento perto do último quartel do século passado, estende-se até ao presente ano, penetra no próximo e depois tem um epílogo a descrever os dados mais marcantes dos protagonistas nas próximas décadas e pelo meio saltita por vezes entre estes momentos e outros mais recuados. Literariamente sinto que não atinge o nível de duas das minhas referências da literatura Açoriana: "Mau tempo no Canal" de Vitorino Nemésio e "Gente Feliz com Lágrimas" de João de Melo, mesmo assim, penso que pode tornar-se num dos romances que melhor caracterizam estas ilhas e as suas gentes. Valeu a pena esta leitura... e recomendo sobretudo a quem pretender conhecer as tradições mais Açorianas e as gentes destas ilhas.

3 comentários:

Pedrita disse...

eu quando vi a imagem que vc estava lendo esse livro fiquei curiosa. ah, de um açoriano. q legal. pelos seus relatos até eu acho que conheço açores. eu moro em são paulo, então é comum autores e obras que falam da cidade. leio alguns. fiquei curiosa. vc falou do estilo de portugal. aquele livro que li do mário cláudio a quinta das virtudes, achei o estilo muito diferente do q tenho lido. mas como de portugal não li muitos. pode ser q aí o estilo seja comum http://mataharie007.blogspot.com.br/2013/04/a-quinta-das-virtudes.html
beijos, pedrita

Carlos Faria disse...

Pois Mário Cláudio também é um escritor que não vai por arraste na moda, há uma geração atual que se deixaram contaminar pelo sucesso de outros e parecem todos copiar as mesmas fórmulas, depois cansa. Este ao menos tem um seu próprio estilo e gosto disso e a escrita não é criativa para disfarçar a falta de criatividade.

Pedrita disse...

carlos, aqui há uma pressão às vezes da editora que quer tudo parecido. ou só aprova parecido. eu falei de livro no meu blog.