segunda-feira, 26 de setembro de 2016

"Morte no Verão" de Yukio Mishima


Uma coletânea de 10 contos do escritor japonês Yukio Mishima sendo "Morte no Verão" o de entrada da série contida neste livro, todos mostram dramas psicológicos mais ou menos intensos da vida dos seus protagonistas sobre a luta pela sobrevivência face à perda de entes amados, à obtenção de rendimentos, aos medos pessoais ou a forma de resolver as questões de honra tradicional, do amor e da amizade, brilhantemente escritos com numa rica linguagem onde muitas vezes fluem reflexões do interior das personagens resultantes dos efeitos da observação ou dos acontecimentos do mundo exterior dentro do pensamento e consciência das pessoas. Um deles é apresentado sob a forma de uma pequena peça de teatro.
Por vezes somos chocados pelo desenlace da narrativa, outras vivemos o drama interno das personagens, havendo mesmo alguns como que um jogo de espelhos das relações entre estas, que no conjunto mostram  a cultura japonesa ou  algumas das diferenças de mentalidade face ao ocidente, como o que narra um suicídio por honra ou as memórias e orações de gueixas num fundo muito distinto do que se teria no hemisfério judaicocristão.
Pessoalmente gostei de todas as histórias, umas mais do que de outras, mas todos elas me cativaram desde o início sem deixar de transparecer uma calma do desenrolar das histórias mesmo nos casos mais dramáticos, Gostei e recomendo a quem gosta do género contos e de conhecer outras culturas.

domingo, 18 de setembro de 2016

"Nora Webster" de Colm Tóibín



"Nora Webster", apesar de ser o romance mais recente Colm Tóibín foi o meu livro de estreia neste escritor atual da Irlanda, o qual já ganhou vários prémios literários e teve uma obra adaptada ao cinema.
Nora Webster narra a luta pela sobrevivência no dia a dia da homónima protagonista após a morte do seu marido, um professor conservador católico, à sombra de quem ela se habituara a viver, ficando então com cerca de 40 anos e 4 filhos, desde a idade do ensino básico até ao universitário, a seu cargo, passando então a enfrentar dificuldades financeiras, necessidade de compreender a psicologia variada dos seus descendentes e com personalidades, gostos e maturidades bem distintas, enquanto se adaptava à nova situação numa pequena cidade da República num período de tensão política com a violência na Irlanda do Norte e reivindicações laborais na parte independente da ilha que se deduz ser nos anos 1960/70.
Colm Tóibín mostra que é possível tornar cativante um romance escrito de uma forma límpida e quase sem floreados estilíticos sobre a vida de uma mulher comum, numa terra provinciana banal, sem ocorrência de grandes acontecimentos sociais e mesmo com tanta simplicidade prende o leitor.
Ao longo de todo o romance vamos conhecendo devagar os pensamentos, as recordações, os receios, os passatempos/fugas da vida de Nora e as suas pequenas decisões diárias desta viúva que são os passos para a sua emancipação forçada, bem como os problemas e a solidariedade da família alargada, dos amigos e da influência católica que permitem que ela não colapse perante os novos desafios que enfrenta.
Talvez o mais original neste romance seja o facto de a protagonista não deixar de ser uma mulher comum que na sua intimidade apenas luta para ultrapassar as suas fragilidades, mas que a sentimos como uma heroína, permitindo elevar a tal categoria uma pessoa comum que poderia ser a nossa vizinha onde parece que nada de especial se destaca mas onde um grande drama se desenrola e se vence. Gostei e recomendo.

terça-feira, 13 de setembro de 2016

"CORRECÇÕES" de Jonathan Franzen



"Correcções" é o segundo romance que leio de Jonathan Franzen, um escritor dos Estados Unidos da atualidade e de elevada notoriedade pública. À semelhança de "Liberdade", o livro que agora li também se serve dos desencontros numa família para mostrar muitos dos problemas contemporâneos da sociedade norteamericana.
O romance conta os principais episódios da vida dos vários membros da família Lambert, desde meados dos século XX até à entrada do presente milénio, com maior pormenor do dia a dia de recente. Um agregado composto por pai, mãe, dois filhos e uma filha, todos com personalidades diferentes, com perspetivas do mundo distintas e com problemas pessoais, éticos e morais díspares, sendo comum a todos, a senilidade e demência do pai que a mãe enfrenta diariamente enquanto sonha reunir todos pelo Natal, enfrentando conflitos geracionais, de avós aos netos, passando pelo afastamento da nora e indo até às inconveniências individuais a tal desiderato.
Novas e velhas tecnologias de comunicação, globalização, consumismo, alcoolismo, depressões psíquicas, neoliberalismo, marketing de aliciamento financeiro, injustiça social, racismo, homossexualidade, assédio laboral, fardo da velhice, desencontros sentimentais e problemas de compreensão do amor familiar de uma forma ou outra são expostos no evoluir destas vidas que optam por formas mais ou menos corretas para os enfrentar, tudo isto numa escrita trabalhada de forma diferente em função do carácter da personagem ou do meio utilizado: reflexão psicológica, diálogo direto, telefone, correio-eletrónico, páginas de internet, SMS, etc. conferindo uma grande diversidade de estilos sempre com uma linguagem fácil, despretensiosa mas bem trabalhada literariamente. 
O romance varia de momentos hilariantes e irónicos, até ternos, depressivos e de angústia, em função das situações, gerando um retrato multifacetado da sociedade norteamericana através das vivências e sentimentos desta família da classe média-alta com as suas alegria, tristezas, receios e esperanças. Uma grande obra que não camufla a fealdade de muitos dramas pessoais e sociais de hoje.

domingo, 11 de setembro de 2016

No aniversário da morte de Antero de Quental


Culpado

Não duvido que o mundo no seu eixo
Gire suspenso e volva em harmonia;
Que o homem suba e vá da noite ao dia,
E o homem vá subindo insecto o seixo.

Não chamo a Deus tirano, nem me queixo,
Nem chamo ao céu da vida noite fria;
Não chamo à existência hora sombria;
Acaso, à ordem; nem á lei desleixo.

A Natureza é minha mãe ainda...
É minha mãe... Ah, se eu à face linda
Não sei sorrir: se estou desesperado;

Se nada há que me aqueça esta frieza;
Se estou cheio de fel e de tristeza...
É de crer que só eu seja o culpado!


(Ponta Delgada 18 de abril 1842 - 11 de setembro de 1891)

sexta-feira, 2 de setembro de 2016

"AMERICANAH" de Chimamanda Ngozi Adichie


"Americanah" da escritora da Nigéria Chimamanda Adichie, de quem já li este livro e do qual muito gostara, é um romance que mostra não apenas as dificuldades de vida da população daquele País, como também os problemas que a sua juventude enfrenta ao emigrar ou refugiar-se no Reino Unido ou nos Estados Unidos, mostrando muitos dos preconceitos raciais e culturais nos Países de acolhimento com sociedades multiétnicas e ainda os desajustamentos daqueles que regressam à origem. Aliás, o título "Americanah" é o termo com que os Nigerianos designam os seus emigrantes que vêm da América aculturados, à semelhança dos Açorianos quando falam dos "calafonas" e "amercas" e os Continentais denominam "francius" aos que passam pela França.
O romance centra-se numa relação amorosa que se iniciou na adolescência no ensino secundário, se prolongou no universitário e é interrompida pela emigração legal da jovem para a América e ilegal dele para Inglaterra sendo então afetada pelas vicissitudes que cada um enfrenta relatada em partes distintas ao longo do livro.
Os penteados africanos e as novas tecnologias tornam-se peças importantes para a caracterização do mundo atual, não só pelo uso destas nas comunicações à distância, mas também quando parte dos capítulos se passa num salão cabeleireiro que suporta reflexões sobre a importância do cabelo na integração social e, sobretudo, por a protagonista se tornar numa blogger famosa, onde, a partir das experiências do dia-a-dia, denuncia e caracteriza os vários tipos de racismo e os preconceitos e ideias feitas nos povos de acolhimento. Enquanto a estadia ilegal do protagonista servirá para mostrar vertentes diferentes das dificuldades dos imigrantes. Por sua vez, os momentos vividos na Nigéria evidenciam a corrupção política neste Estado, as ideias irrealistas do povo sobre os países de sonho, a estratificação social, económica e educacional e ainda a aculturação que sofrem os que saem e voltam transformados ao local de origem, em contraste com os que permaneceram sempre na terra natal.
Chimamanda utiliza escritas diferentes em função das necessidades de narração da estória, textos comunicacionais privados no e-mail ou públicos na blogosfera e redes sociais, nas caracterizações dos falares do inglês britânico, americano, nigeriano e da influência da língua nativa da escritora: o igbo, contudo sem nunca perder nem a coerência nem a uma grande fluência, o que torna a leitura muito agradável e diversificada, mas sempre fácil e a tradução tece a preocupação de respeitar minimamente essa riqueza estilística.
Assim, estamos perante uma obra magnífica que é ao mesmo tempo uma história de amor, um manifesto contra a injustiça e o preconceito e um retrato do mundo globalizado e informatizado atual visto pelo olhos de uma Nigeriana. Interessante também o recurso a encontros sociais em salão ou em festas que recordam técnicas da literatura do século XIX e de Proust no século XX, para mostrar a diversidade intrínseca das classes média e alta que se cruzava nas suas relações de vida.
Americanah é de facto uma grande obra literária e um tratado social que enriquece a literatura contemporânea e alarga os horizontes de quem lê. Apesar de grande (cerca de 700 páginas) vale a pena ler e recomendo.