sábado, 28 de outubro de 2017

" Grandes Esperanças" de Charles Dickens


O livro de Charles Dickens "Grandes Esperanças" que acabei de ler é considerado por muitos especialistas literários como a sua melhor obra, embora não seja a mais famosa, assim parti para o meu segundo livro deste escritor inglês do século XIX com grandes perspetivas, aliás este poderia ser a tradução do título original "Great Expectations". Como a maioria dos romances de Dickens, este também foi publicado inicialmente em folhetins nos jornais da época.
O romance narra na primeira pessoa vida do protagonista, Pip, órfão e criado desde muito novo com a irmã que o desrespeita e o seu marido ferreiro que lhe dá um grande carinho. Ainda criança cruza-se com um prisioneiro em fuga que o ameaça de morte e lhe pede comida e ele atende roubando em casa, aquele depois é preso mas fica-lhe na memória. Mais tarde é contratado para fazer momentos de companhia numa casa da cidade próxima, onde uma mulher rica, amargurada e isolada o deseja para divertimentos e onde conhece uma adotada de grande beleza, Estela. Na adolescência inicia a vida de aprendiz de ferreiro quando lhe é comunicado que alguém decidiu legar-lhe uma fortuna da qual ele só poderá aceder quando o seu benfeitor se apresentasse e interditando-o de investigar quem seria, mas teria de levar uma vida de rico e culto em Londres. A mudança alimenta as elevadas perspetivas que tinha desde criança, afasta-se dos seus bons benfeitores, inicia uma nova vida com novos conhecidos urbanos, ricos e pobre, cria novos amigos e mantém contacto com a família da amada até  conhecer quem sustentou a sua vida de fidalgo e então tudo muda, dá-se uma revolução de sentimentos com desprezo, ingratidão, amor e remorsos.
A obra está bem escrita e estruturada, é narrada ao estilo de cativar o maior número de leitores que compravam o jornal, recorre a técnicas que ainda hoje são comuns nas séries televisivas que rendem a história, com momentos de clímax de sentimentos, suspense policial, crítica social e moral, amores e ódios, é de fácil leitura, mas extensa para a complexidade da trama. Gostei, mas confesso que aprendi e vibrei mais com este livro que antes lera de Dickens.

terça-feira, 17 de outubro de 2017

"JUDAS" de Amos Oz


Acabei de ler o segundo livro do escritor israelita Amos Oz e o meu primeiro romance dele: "Judas".
O romance passa-se em Jerusalém no inverno de 1959, onde um jovem, tímido e sentimental, a fazer uma tese de doutoramento sobre Jesus visto pelos judeus ao longo dos tempos, por motivo de desalento com o fim do namoro e dificuldades financeiras, decide abandonar a investigação e encontra um emprego de companhia numa casa com um idoso tagarela e uma viúva por quem se sente atraído mas inacessível. Neste trabalho Samuel terá tempo para refletir sobre o que o seu povo disse do que teria sido Jesus, mas também questionar-se sobre Judas, talvez o primeiro cristão de fé cujo seu papel na crucifixão teria sido para a glória do seu mestre e da qual saiu desiludido tornando-se conhecido como um traidor e ainda um peso para os judeus.
A intercalar as reflexões históricas e religiosas está o fio condutor da narrativa com a vida naquele inverno do jovem e as suas descobertas sobre o passado recente: o comportamento desastrado dele na sua atração por Atália, o jogo desta, as descobertas das perspetivas distintas em torno da criação de Israel pelo velho, o defunto marido e o pai da viúva e as desconfianças e ameaças árabes vistas no contexto da época mas que ainda hoje são atuais. Estes dois tempos entrecruzados no romance são sempre contados de uma forma introspetiva e serena, por vezes com um humor requintado e abordagens naturais a situações de algum anormalidade e com uma excelente escrita. Gostei muito mas não é um livro que desperte vibrações e emoções fortes ou suspense, pois reina ao longo de toda a obra uma calma e uma interioridade na forma de expor os acontecimentos e as reflexões mas que dá prazer apreciar o texto. 

sexta-feira, 13 de outubro de 2017

"Os mandriões do vale fértil" de Albert Cossery


O romance "Os mandriões do vale fértil" do egípcio francófono Albert Cossery narra de forma irónica e sarcástica o estilo de vida de uma família que vive numa povoação dos subúrbios de uma cidade cujo pai incutiu nos três filhos o orgulho de ser de classe burguesa sem necessidade de trabalhar e a virtude que é passar o tempo a dormir sem necessidade de se misturar com a restante sociedade onde imperam os perigos daqueles que têm de trabalhar para sobreviver.
Assim conheceremos o filho que apenas acorda para comer e outras funções biológicas que ainda por vezes pede ajuda para não ter de sair da cama, o outro que desistiu do amor para que o descanso não fosse perturbado pela obrigação de chefe de família do terceiro que visita uma fábrica inacabada para justificar a impossibilidade de satisfazer a sua vontade de arranjar trabalho e as estratégias para impedir que o pai velho volte a casar devido às perturbações que tal traria ao ócio, bem como as pessoas que circundam este núcleo.
À semelhança dos dois anteriores que li, eis outra pérola literária, uma pequena obra com uma ironia requintada e inteligente onde a preguiça é elevada a um estatuto social só acessível a alguns perante a banalidade dos desprezíveis e perigosos humanos que têm de trabalhar. A obra ainda toca de forma sarcástica noutros comportamentos que a sociedade do politicamente correto contemporâneo sacraliza, tudo isto feito com um humor e qualidade de escrita e se percebe o grande prémio literário da francofonia pelo conjunto da obra atribuído pela França a este egípcio que preguiçosamente se estabeleceu por décadas num hotel de Paris. Adorei e não conseguia parar.

terça-feira, 10 de outubro de 2017

"Humilhados e Ofendidos" de Fiódor Dostoiévski


Na generalidade as obras do escritor Fiódor Dostoiévski denunciam a injustiça social no mundo russo do século XIX através de uma reflexão e confronto entre modelos políticos de valores e ética tradicionais e outros revolucionários hedonistas de corte com o passado e ainda com a dialética filosófica entre crentes e ateus, criando narrativas tensas onde a maldade ou o oportunismo de alguns gera vítimas inocentes arreigadas aos seus princípios, sendo tudo isto temperado com dramas românticos com paixão não dominadas em personagens exemplares que ficam reféns de maquiavélicas conjuras. Assim estas obras  tornam-se manifestos e apelos de conversão da sociedade a um mundo mais justo e pleno moral.
"Humilhados e Ofendidos" é uma narrativa de um escritor prometedor em início de carreira e por isso tem algo de autobiográfico e é um romance que não se envolve em ideias políticas ou discussões religiosas que mais tarde caracterizam Dostoiévski, mas mantém a estrutura e o estilo básico dos maiores clássicos deste escritor, mostrando quão maus podem alguns ser, semeando dor, injustiça e destruição de paixões por mero egoísmo sobre outros mais fracos e honestos e quanto orgulho e os princípios de honra podem ainda ampliar estes efeitos nefastos em quem é ofendido e humilhado pelo mais forte e sem escrúpulos.
Assim, Humilhados e Ofendidos, sem deixar de ser um magnífico romance típico de Dostoiévski, é mais acessível ao leitor que se sente perdido em discussões filosóficas e ideológicas de outras grandes obras deste escritor, mas preserva o essencial: a luta entre o bem o mal que importa para tornar o mundo melhor.
Gostei muito e para quem nunca leu este autor e teme a complexidade dos conteúdos, este romance pode ser uma obra de entrada para abrir portas às maiores obras da literatura mundial escritas por Dostoiévski de quem sou um admirador convicto.

terça-feira, 3 de outubro de 2017

"A Mulher-sem-Cabeça e o Homem-do-Mau-Olhado" de Gonçalo M. Tavares


Acabei de ler o pequeno romance de personagens e acontecimentos do domínio do fantástico e dos mitos "A Mulher-sem-Cabeça e o Homem-do-Mau-Olhado" de Gonçalo M. Tavares. Uma obra que ao longo de cerca de 150 páginas que encadeia personagens e situações irrealistas descritas como normais, mesmo que absurdas, deixando-nos como se estivéssemos numa banda-desenhada ou num sonho e onde os heróis não são necessariamente benéficos nem a sobrevivência ao serviço do bem. a
Alguns relatos com um toque de terror puro mas de tal forma estranho que se torna cómico são expostos de forma fria sem sentimentos mas narrados com uma naturalidade como se vivêssemos numa sociedade apática incapaz de se chocar e onde se cruza o mundo da tecnologia, as revoltas sociais e mesmo factos históricos
Escrita é perfeita, cheia de ritmo e da frieza que caracteriza Gonçalo M. Tavares nos seus livros negros, o que me desperta um prazer de leitura que pouco escritores nacionais são capazes de conseguir, embora a obra tenha soltas pistas de reflexão não é uma obra com mensagem para além do papel lúdico e da capacidade de expor a fealdade de situações com uma beleza estilística inigualável. Gostei, mas será uma obra estranha aos olhos de muitos leitores e como se assistíssemos por dentro a uma luta de anti-heróis num pesadelo que não assusta.

domingo, 1 de outubro de 2017

"O Colecionador de Mundos" de Ilija Trojanow

O livro "O Colecionador de Mundos", do Búlgaro refugiado na Alemanha que viveu na Jugoslávia, Itália, Índia e Quénia e presentemente na Austria e escreve em alemão: Ilija Trojanow, narra de modo romanceado três importantes ações da vida do militar, aventureiro, espião e diplomata inglês do século XIX: Sir Richard Francis Burton.
Como todas as obras históricas, o romance está amarrado no essencial aos factos então ocorridos, mas vale pela forma de os narrar e os floreados à sua volta, criando uma obra original, criativa, com a análise social do encontro de culturas (indiana hindu e muçulmana, árabe e africana) e juntando ficção à realidade dos acontecimentos.
O livro é composto por três momentos da vida de Burton, cada um exposto com uma dupla visão que se intercalam e se completam: primeiro o serviço na Índia com a descoberta do hinduísmo, do islão, o choque de culturas e a desconfiança entre povos e onde se conhecem as impressões do protagonista e a versão do chefe de criadagem, um natural local; depois a sua peregrinação a Medina e a Meca, haje ou hadj, disfarçado de muçulmano indiano e integrado numa caravana de povos a partir do Cairo, neste feito que chocou o islão vemos o relato de Burton e uma recolha de testemunhos de companheiros crentes na tentativa de julgar o sacrilégio do infiel; e por fim a expedição a partir do Zanzibar que levou à descoberta do lago Vitória e da nascente do Nilo narrada por ele e um escravo local libertado guia dos ocidentais.
Assim se revela a vida de uma lenda que até à sua morte levantou especulação de qual a sua verdadeira fé, o seu modo de ver o mundo, os povos e as religiões. Um livro muito interessante, cheio de ensinamentos culturais, história, aventura e excelentemente escrito. Recomendo.